A TV que todo mundo vê!
Canal 16.1

Postado por Eugênio Silva
Graduando em jornalismo pela UFCA, com passagens pela Rádio Jangadeiro FM e; Rádio SomZoom Sat Cariri, esteve a frente na apresentação do Jornal Grande Cariri, atua como repórter de campo e colunista da página na web do Café News

Uma pessoa negra foi morta pela polícia a cada 4 horas em 2022 no Brasil
É o que indica o relatório “Pele Alvo: a bala não erra o negro”, divulgado pela Rede de Observatórios nesta quinta-feira (16)


Pubilcado em 16/11/2023 13:40:16
Atualizado em 16/11/2023 13:40:16
255

A cada quatro horas, uma pessoa negra foi morta pela polícia brasileira ao longo de 2022. É o que indica o relatório “Pele Alvo: a bala não erra o negro”, divulgado pela Rede de Observatórios nesta quinta-feira (16).

De acordo com o boletim, que monitora a letalidade policial em oito estados, dos mais de 3 mil registros de morte com informação de cor/raça declaradas, negros somam 87,35%, um total de 2.770 pessoas. Os dados foram obtidos junto a secretarias estaduais de segurança pública de Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro e São Paulo via Lei de Acesso à Informação (LAI).

Como nos estudos anteriores, o novo monitoramento da Rede de Observatórios da Segurança demonstra o alto e crescente nível da letalidade policial contra pessoas negras. No ano passado, a Bahia ultrapassou o Rio de Janeiro no número de casos registrados nos estados incluídos no estudo. Bahia e Rio foram responsáveis por 66,23% do total dos óbitos.

A Bahia lidera tanto em número de pessoas negras mortas por agentes policiais, ao todo foram 1.465, um percentual de pretos de 94,76% óbitos.

Em segundo lugar, vem o Rio de Janeiro, com 1.042 óbitos, chegando a 86,98% do total.

O Pará registrou 631 vítimas negras,  enquanto, Pernambuco, Piauí e Ceará registraram 282 mortes.

Já São Paulo registrou 419 mortes, O estado teve uma redução de 48,32% no número de mortes provocadas por agentes de segurança, desde 2019, quando foram 867 vítimas.

O objetivo da Rede de Observatórios é monitorar e difundir informações sobre segurança pública, violência e direitos humanos. O grupo atua na produção de dados, com rigor metodológico, nos oito estados em parceria com instituições locais, acompanhando os indicadores de segurança junto aos parceiros.